Você está aqui: Página Inicial / Comunicação / Notícias / Câmara realiza Audiência Pública de Comissão da Verdade da Escravidão do Quilombo do Bracuí

Câmara realiza Audiência Pública de Comissão da Verdade da Escravidão do Quilombo do Bracuí

por Oswaldo Luiz última modificação 11/06/2018 16h12
Debate ganha apoio de órgãos de várias competências

A Câmara Municipal de Angra dos Reis realizou no dia 07 de junho, quinta-feira, às 14h, no Plenário Presidente Benedito Adelino, uma Audiência Pública para tratar do tema: “Comissão da Verdade da Escravidão do Quilombo do Bracuí”. A audiência foi presidida pelo vereador Flavinho Araújo, mas a autoria é do presidente da Câmara. A iniciativa partiu da quilombola Dona Marilda Souza, que procurou o gabinete do vereador Zé Augusto, para  levantar possíveis soluções sobre este assunto e levar conhecimento a toda população.

O evento contou com a participação de representantes de diversos órgãos competentes, entre eles estavam o presidente da Comissão da Verdade da Escravidão Negra do Brasil do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil, OAB, Dr. Humberto Adami, a palestrante professora e pesquisadora da UFF, Marta Abreu, a presidente do Conselho Municipal da Igualdade Racial, Jaqueline Máximo, o presidente da OAB de Angra dos Reis, Dr. Luis Carlos Elias e representando o presidente da Câmara Municipal, o procurador geral da Câmara, Dr. Valmir Servolo.

Em seu discurso no plenário, Dona Marilda pontuou as necessidades da comunidade e falou sobre a desigualdade e o descaso que os quilombolas do Bracuí ainda passam.

- É inaceitável a violência que se agrava na comunidade, o vandalismo que a  Escola Municipal Áurea Pires da Gama sofreu, não pode ficar impune, e também vamos lutar para que esta escola se torne um patrimônio quilombola,  enfatizou Dona Marilda.

O presidente da Comissão da Verdade da Escravidão Negra do Brasil do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil, OAB, Humberto Adami, deixou claro em sua fala que vai lutar pelos diretos de todos os povos quilombolas do país, e ficou muito feliz com a mobilização que o município teve em fazer este debate.

- Há 15 anos a política quilombola está parada. É preciso avançar nesta questão e por isso agora vamos até o governo federal levar os 10 direitos constitucionais, para enfim fazer valer os diretos conquistados pelos quilombolas do Brasil que foram adquiridos há muitos anos atrás, disse Humberto Adami.

O debate contou com a palestra da professora de história e pesquisadora da Universidade Federal Fluminense, UFF, que abordou o tema da história do Quilombo do Bracuí, com vídeos, depoimentos e aproveitou para esclarecer algumas dúvidas.

– Podem nos procurar na UFF de Angra dos Reis, faremos questão de passar todas as informações e questionamentos que visam à introdução de reflexões sobre o assunto discutido, pois apoiamos esta causa - falou a professora Marta Abreu.

Jaqueline Máximo, presidente do Conselho Municipal da Igualdade Racial, aproveitou o gancho da palestra e disse que já estava na hora de realmente colocar o Quilombo Bracuí na roda dessa cidade, mostrando todas as injustiças e os crimes institucionais que tem sido cometido desde o início dessa luta até os tempos atuais.

- Esta reunião começou na subseção da Ordem dos Advogados, e já com um resultado inicial positivo, conseguimos nomear a presidente da Comissão da Verdade dos Negros da OAB, de Angra dos Reis, a Drª Édna Neves, que agora é responsável por esta pasta. Demos um passo importante hoje e enquanto estiver presidente da Ordem de Angra estarei apoiando esta luta – declarou o Dr. Luis Carlos Elias, presidente da OAB de Angra.

Finalizado as falas, o procurador geral da Câmara, Dr. Valmir Servolo, também contribuiu com informações sobre o tema.

- Eu digo em meu nome, e em nome do presidente desta Casa Legislativa, que a causa de vocês tem o nosso apoio. Gostaria de agradecer em especial, a Dona Marilda, por nos procurar e nos dar a possibilidade de discutir um pouco da nossa história, aqui no plenário, e por buscar os direitos do Quilombo do Bracuí – frisou Valmir.

Depois de alguns tratados e esclarecimentos a Audiência Pública terminou com uma roda de dança e canto dos quilombolas junto com os indígenas.

Adicionar Comentário

Você pode adicionar um comentário preenchendo o formulário a seguir. Campo de texto simples. Endereços web e e-mail são transformados em links clicáveis.